Na foto, da esquerda para a direita: Jefferson Simões (líder da travessia), Luciano Marquetto, Ronaldo Bernardo e Filipe Lindau.

Travessia Antártica 2015: final da missão e chegada ao Brasil

 

Cientistas retornam ao Brasil e comemoram o sucesso da Travessia Antártica 2015.

 

 

Relato de Jefferson Simões, líder do grupo, na chegada:

“Missão com sucesso total, 1400 km percorridos em 12 dias, 107 m de testemunhos de gelo e quase uma centena de amostras superficiais.
Reconhecemos o trajeto para transportar o módulo Criosfera 2, no próximo ano.

 

E agora o trabalho moroso e muitas vezes enfadonho….

Final de missão de campo e agora começa o trabalho de investigação laboratorial das amostras coletadas.


Serão 2 anos de trabalhos em câmaras frias, muitas vezes em dois turnos diários, onde os testemunhos de gelo serão descontaminados, subamostrados e finalmente derretidos. Só então faremos as análises químicas. Mas, evidentemente, as investigações não acabam aqui, com os resultados das análises químicas em mão, finalmente começaremos a interpretar,ambientalmente o que ficou no testemunho de gelo.
Existe algum indício de poluição da América do Sul chegando ao interior da Antártica?


Quais as diferenças em concentrações químicas entre as diferenças áreas atravessadas?


Como as variações do clima afetam essas concentrações?
Existe alguma evidência clara de ligação entre as condições ambientais dos sítios amostrados e o sul da América do Sul?

 

No próximo verão (2015/2016) instalaremos, a aproximadamente 80°S, o módulo Criosfera 2, mais um avanço das atividades do Brasil na Antártica.

Restará ainda um grande desafio ao Programa Antártico Brasileiro: – Uma missão ao manto de gelo da Antártica Oriental, mais fria, mais alta, mais seca do que a Antártica Ocidental. Mas isso fica para outra vez….”